Mesmo após encontrar irregularidades no contrato, TCE resolveu liberar o aumento da tarifa e propôs um Termo de Ajustamento de Gestão que ainda será assinado.

21/01/2020 por Adriano Hany

Em reunião que durou mais de 2 horas entre representantes da prefeitura de Campo Grande, Consórcio Guaicurus e Tribunal de Contas do Estado, o tribunal decidiu derrubar a medida cautelar que impedia o aumento da tarifa.

O reajuste foi suspenso no dia 7/01 por uma medida cautelar assinada pelo conselheiro do TCE, Waldir Neves, que em análise encontrou irregularidades na prestação de serviços do consórcio, fazendo com que o valor do passe retornasse a R$3,95.

Waldir Neves, relator do caso, diz ter voltado atrás após análise de informações apresentadas pelo consórcio e também pela equipe técnica do TCE.

No que diz respeito as irregularidades, será assinado, em fevereiro, um TAG (Termo de Ajuste de Gestão) entre o TCE e o Consórcio Guaicurus para que os problema na prestação de serviço sejam resolvidos.

Será constituído um grupo de trabalho responsável por estudar prazos para que a empresa que ajuste.

De acordo com o conselheiro, o TAG será assinado não só para tratar de valor de tarifa, mas o sistema de transporte como um todo.

O diretor do consórcio, João Rezende, ficou feliz com a decisão do TCE, porque o preço de R$4,10 já está valendo nesta terça-feira.