fbpx
Search

Desobediência de isolamento trará pico de casos de coronavírus em MS, diz Secretaria

Em Mato Grosso do Sul, apenas 38,4%, pouco mais de um terço da população, ficou em casa no começo desta semana, índice que traduz a pior taxa de isolamento social do Brasil.

Segundo a SES (Secretaria de Estado de Saúde) o desrespeito e descumprimento à recomendação de evitar ir às ruas deve provocar disparada de novos casos do coronavírus em duas semanas.

Em live nesta manhã de segunda-feira (5) a secretária-adjunta da SES, Crhistinne Maymone, comentou a a inclusão de 9 novos casos chegando a um total de 283 ocorrências. “Tivemos um aumento considerado substancial de ontem para hoje, diretamente relacionado à baixa taxa de isolamento que o Estado está vivendo agora”.

Ela ainda acrescentou sobre a população estar “plantando” mais doença. “A gente planta menos isolamento e colhe mais doença. Nós agora estamos colhendo a taxa de isolamento social de 15 dias atrás. Com pior taxa, de 38,4%, provavelmente o cenário daqui 15 dias será pior. Portanto, fique atento, fique em casa, use a máscara e aumente a higienização das mãos”, completou Crhistinne.

Já o titular da SES, Geraldo Resende reforçou que o novo coronavírus “é um inimigo ardiloso” e condenou a desobediência aos apelos diários pelo isolamento social. “É vergonhoso e nos incomoda muito. Há muitos dias estamos nesse desonroso 27º lugar entre todas as 27 unidades da federação. Não gostaria de ser catastrófico, nem alarmista, mas todos os lugares do mundo onde houve relaxamento, aconteceu um número exagerado de mortes, como no estado de Nova Iorque, nos Estados Unidos”, destacou Geraldo Resende.

O secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Eduardo Riedel, também comentou sobre o isolamento social e salientou que só medidas restritivas de prefeituras e Executivo estadual não serão suficientes. “Importante dizer que o sucesso nosso em vencer essa pandemia tem a ver com medidas tomadas, mas principalmente com as atitudes de todos nós. Depende da nossa capacidade de manter cuidado, isolamento, distanciamento. Está longe de terminar essa pandemia no Estado”.